Resultados dermatológicos e padronização do procedimento estético de microdermoabrasão: Revisão integrativa da literatura

Dermatological results and standardization of the aesthetic microdermabrasion procedure: integrating review of the literature

Juliana Pastorello Pessarello1,Josinete Salvador Alves2, Monica Maruno3, Cristina Buischi Petersen4

1 Esteticista e Cosmetóloga formada pelo Curso de Estética e Cosmética do Centro Universitário Barão de Mauá – Ribeirão Preto/SP – Brasil
2 Farmacêutica. Doutora em Ciências Farmacêuticas pela USP. Docente do Centro Universitário Barão de Mauá – Ribeirão Preto/SP – Brasil
3 Farmacêutica. Doutora em Ciências Farmacêuticas pela USP. Docente do Centro Universitário Barão de Mauá – Ribeirão Preto/SP – Brasil
4 Esteticista e Cosmetóloga. Doutoranda em Ciências pela USP.Docente do Centro Universitário Barão de Mauá – Ribeirão Preto/SP – Brasil

Autor correspondente:

Juliana Pastorello Pessarelo
Endereço: Rua Fumie Watanabe, 12 – Mirante das Acácias – Cravinhos/SP – CEP: 1410-000.
e-mail: Juliana_pastorello@hotmail.com

RESUMO

A prática baseada em evidências é uma abordagem que preconiza a utilização de resultados de pesquisas científicas na prática clínica, sendo a revisão integrativa um de seus recursos. Este trabalho é uma revisão integrativa com o objetivo de avaliar as evidências de resultados dermatológicos disponíveis sobre a microdermoabrasão feita na pele de humanos e se há procedimento operacional padrão para aplicação desta técnica. Para a seleção dos artigos, utilizou-se a base de dados EBSCO, e a amostra desta revisão constituiu-se de 12 artigos. Após análise das publicações incluídas, foram encontradas evidências de resultados dermatológicos positivos no tecido cutâneo e lacuna de conhecimento quanto ao procedimento operacional padrão da técnica, por depender de variáveis como marca e modelo dos equipamentos disponíveis no mercado e calibragem quanto a pressões negativas e número de passadas da caneta de aplicação conforme necessidade de saúde da pele do indivíduo após avaliação profissional. Nos estudos analisados, a microdermoabrasão foi considerada uma técnica segura e eficaz tanto para tratar disfunções estéticas relacionadas a relevo e coloração cutâneas quanto como preparo da pele para permeação de ativos dermatológicos, com resultados satisfatórios na melhoria de hipercromias, acne, cicatrizes, estrias e foto envelhecimento.

Palavras-chave: Microdermoabrasão; Pele; Equipamentos para Estética

ABSTRACT

Evidence-based practice is an approach that advocates the use of scientific research results in clinical practice and integrative review is one of its resources. This work is an integrative review with the objective of evaluating the dermatological results on the microdermabrasion skin of humans and if there is standard operating procedure for this technique. The EBSCO database was used for selection articles, and the sample of this review is consisted of 12 articles. After analysis evidence of positive outcome dermatological founded in the cutaneous tissue and knowledge gap regarding the standard operating procedure of the technique, since it depends on variables such as brand and model of the equipment available in the market and calibration regarding negative pressures and number of passed from the application pen according to the individual’s skin health need after professional evaluation. In the studies analyzed, microdermabrasion was considered a safe and effective technique for treating aesthetic dysfunctions related to skin roughness andspots as well as preparation of the skin for permeation of dermatological cosmetics, with satisfactory results in the improvement of hyperchromias, acne, scars, striaedistensae and photoaging.

Keywords: Microdermabrasion, Skin, Aesthetic Equipment

INTRODUÇÃO

Diversas técnicas têm sido desenvolvidas com o intuito de desorganizar ou remover o estrato córneo, assim aumentando a permeabilidade cutânea para moléculas maiores e solúveis em água pela via transepidermal (drug delivery) ou para promover uma lesão programada e controlada com o objetivo de ocasionar renovação celular por meio dereparação tecidual induzida1. Os primeiros relatos de abrasão da pele datam de 1.500 a.C, época em queos egípcios utilizavam lixas para minimizar cicatrizes. No início do século XIX, a técnica foi modificada visando remover as camadas profundas da derme e, então,denominada dermoabrasão. A microdermoabrasão é uma variação mais superficial da dermoabrasão, pois removesomente as camadas mais externas da epiderme, o que acelerao processo natural de renovação epidérmica1.

A microdermoabrasão (MDA) foi desenvolvida na Itália por Marini e LoBrutto em 1985, porém introduzida no Brasil somente em 1994.O fato de ter sido classificada pelo Food and Drug Administration (FDA) como um equipamento – dispositivo do tipo I isentou o fabricante de estabelecer padrões de desempenho2. Inicialmente, os equipamentos de microdermoabrasão eram unidades simples que utilizavam o vácuo com o auxílio de cristais de óxido de alumínio (Al2O3) para esfoliar a pele. O óxido de alumínio foi escolhido como esfoliante por diversos fatores: é inerte, rígido, estável e não causa irritações na pele. Atualmente, os equipamentos de microdermoabrasão contam com uma tecnologia melhorada, que utiliza microgrânulos de óxido de alumínio (100 a 140 micras). Há também opções em tipos de cristais de sal (MDA por jateamento)ou uso de ponteiras com lixas incrustadas de diamante com diferentes diâmetros e granulações, denominado peeling de diamante ou diamantado(MDA por lixamento)3.

As duas técnicas distintas de microdermoabrasão, o peeling de cristal e o peeling de diamante, são desenvolvidas com o auxílio de equipamentos que possuem uma caneta de aplicação acoplada a um aparelho de vácuo, a qual é posicionada diretamente sobre a epiderme. As técnicas podem ser definidas como rejuvenescimento ou peeling por jateamento (peeling de cristal), ou peeling por lixamento (peeling de diamante). Trata-se de uma esfoliação não cirúrgica e passível de controle, sendo inúmeras suas indicações em tratamentos estéticos, desencadeando renovação epidérmica com atenuação de rugas superficiais, clareamento de hipercromias e afinamento do tecido epitelial, preparando-o para tratamentos de revitalização e proporcionando textura mais fina e saudável em decorrência do estímulo à síntese de proteínas como colágeno, elastina e reticulina. O atrito causado pela MDA remove da pele resíduos de sujidades, oleosidade e células mortas1-2.

O tratamento de microdermoabrasão é feito através de uma caneta que deve ser acoplada à pele para ejeção do fluxo de cristais (MDA por ejeção) ou uma caneta com lixas diamantadas para lixamento da pele (MDA por lixamento). Posteriormente, a mesma deve ser passada sobre a pele em três direções: vertical, horizontal e oblíqua ou diagonal3. Para a MDA por jateamento, são preferencialmente utilizados cristais de óxido de alumínio – partículas inertes à pele que não apresentam perigo respiratório. Para a MDA por lixamento, são utilizadas pequenas lixas redondas e diamantadas com diferentes granulações (75,100 e 150 mícrons) e diâmetros (11mm, 12,5mm e 22mm)1,3. Pesquisa para avaliar o efeito da MDA no tratamento de alterações pigmentares hipercrômicas faciais por exposição solar sem a devida proteção em pacientes com diagnóstico de fibromialgia, que geralmente descuidam da pele devido a vários fatores relacionados à dor e angustia vivenciados no desenvolvimento desta síndrome, evidenciou redução significativa das hipercromias, com clareamento das mesmas, afinamento da camada córnea, melhora na textura e atenuação das rugas superficiais, o que, segundo os autores, proporcionou às participantes do estudo melhora significativa da autoestima4.

Em outro estudo, um ensaio clínico não controlado, cujo objetivo foi analisar os efeitos da MDA isoladamente e associada à vitamina C no tratamento dos sinais de envelhecimento cutâneo, as participantes (20) foram divididas em dois grupos: um recebeu apenas MDA por lixamento e outro MDA por lixamento mais aplicação tópica de vitamina C. Concluiu-se que, em ambos os grupos, houve melhora na percepção subjetiva da qualidade da pele e não se evidenciou diferença significativa entre eles, demonstrando que a técnica produz resultados satisfatórios no tratamento do envelhecimento facial5.

Por ser uma técnica amplamente utilizada por profissionais da área da saúde em tratamentos estéticos, com indicações variadas que incluem rejuvenescimento, cicatrizes, desordens pigmentares, oleosidade, poro aberto, preparação para administração cutânea de ativos ou fármacos, nutrição celular, estimulação da produção de colágeno e preparação pré-peelings químicos6-7, buscou-se, nesta revisão, avaliar evidências de resultados dermatológicos obtidos com a MDA e analisar a existência de um procedimento operacional padrão para aplicação desta técnica de tratamento. Para tanto, adotou-se como método um dos recursos da prática baseada em evidências, ou seja, a revisão integrativa da literatura, que possibilita sintetizar e analisar o conhecimento científico produzido sobre o tema investigado. A condução da presente revisão fundamentou-se em estudos consistentes8,20-22, com adaptação de tabela sinóptica para análise dos artigos no intuito de somar esforços para a prestação de cuidados em tratamentos estéticos.

A prática baseada em evidências pode ser definida como um processo de busca, avaliação e aplicação de evidências científicas para o tratamento e gerenciamento em saúde. Trata-se de uma abordagem que possibilita aprimorar a qualidade da assistência prestada em saúde e impulsiona o profissional a buscar conhecimento científico por meio de pesquisas ou aplicação empírica dos resultados descritos na literatura8,23.

MATERIAIS E MÉTODOS

Esta revisão integrativa contemplou as seguintes etapas: definição da hipótese e dos objetivos da revisão integrativa; estabelecimento dos critérios de inclusão e exclusão de artigos (seleção da amostra); definição das informações a serem extraídas dos artigos selecionados; análise dos resultados; discussão e apresentação dos resultados.

Para guiar a revisão integrativa foram elaboradas algumas questões: Quais são as evidências de resultados da MDA no tecido cutâneo e nas disfunções estéticas? Existe umprocedimento operacional padrãopara aplicação desta técnica?

Para a seleção dos artigos utilizou-se a base de dados EBSCO host Research Platform. Constituíram critérios de inclusão: publicações científicas em português e inglês, disponíveis em acesso aberto na base de dados selecionada, no período de 2012 a 2018; apresentar como intervenção do estudo a microdermoabrasão e metodologia que permitisse obter evidências para a prática, incluindo ensaios clínicos (randomizados; controlados ou não), ensaios clínicos individuais ou estudos de caso e revisões sistemáticas de múltiplos ensaios clínicos.Foram excluídos artigos não disponíveis na íntegra em acesso aberto.

A busca foi realizada mediante acesso on-line, utilizando os critérios de inclusão preestabelecidos. Como filtro de busca foi empregada a palavra microdermoabrasão/microdermabrasion. Inicialmente, identificou- se um total de101 artigos, dos quais 22 apresentavam-se em duplicidade, restando 79. No entanto, após leitura integral de todos os resumos, foram selecionados 19 artigos que atendiam aos critérios de inclusão, dos quais seis foram excluídos por não estarem disponíveis na íntegra em acesso aberto e um por estar disponível na íntegra em língua polonesa, com apenas resumo em inglês. A amostra final desta revisão integrativa foi composta de 12 artigos, lidos integralmente. Para análise e síntese dos resultados, elaborou-se tabela sinóptica adaptada8 que contemplou as seguintes informações: título do artigo; objetivos do estudo; amostra; procedimento operacional da MDA; resultados e recomendações/conclusões

Resultados

Na presente revisão integrativa, foram analisados 12 artigos: oito de autoria de médicos9-16, dois que tinham autores fisioterapeutas2,17, sendo um deles em parceria com biólogos17, um redigido porfarmacêuticas18 e outro em que não foi possível identificar a categoria profissional de seus autores19.Todos os estudos foram desenvolvidos em universidades vinculadas a instituições hospitalares.

Em relação aos periódicos nos quais foram publicados os artigos incluídos nesta revisão, dez foram publicados em revistas médicas9-18, um em revista de ciências da saúde2 e outro em revista de pesquisa e tecnologia da pele19. A seguir, a síntese dos artigos incluídos nesta revisão na tabela 1.

Tabela 1 – Apresentação dos artigos incluídos na revisão integrativa

DISCUSSÃO

Em relação ao objetivo desta revisão,foram observadas, nos artigos que acompõem, evidências de resultados dermatológicos positivos relacionados à melhora de disfunções estéticas, bem como àpromoção de permeação de ativos dermatológicos.

Quanto à evidência de resultados dermatológicos obtidos pelo tratamento com MDA, apenas dois artigos da amostratrouxeram estudos sobre a MDA por lixamento ou peeling diamantado13,19. Em ambos, foram descritos benefíciosem termos dehomogeneização da coloração e relevo cutâneos.

Em trabalho de revisão que reuniu artigos de casos clínicos envolvendohipercromia facial tratada com MDA em pacientes com idades entre 18e50 anos, as autoras concluíram que a técnica é segura e amplamente utilizada. Além disso, relatarambenefíciosdo tratamento, mas assinalaram ser necessário realizar novos estudoshistológicos para investigar osefeitos da MDA no tecido cutâneono que se refere à melhora da hipercromia facial e verificar se estes são transitórios ou duradouros2.

A MDA por jateamento ou peeling de cristal é amplamente estudada. Autores relataram, após estudos histológicos,que ela produz espessamento da derme e epiderme, aumento da síntese e densidade de colágeno, além de neocolagênese com aumento da deposição de colágeno na dermee melhora da atrofia epidérmica. Essas mudanças,compatíveis com reparação tecidual, resultaram em melhorias clínicas visuais na epiderme, tais como conferência de luminosidade, turgor, suavidade e harmonização da cor, com diminuição da melanização e de pequenas rugas9-10,16-17.

A MDA mostrou-se eficiente também como preparo da pele para tratamentos estéticos, por causar remoção do estrato córneo com aumento da permeabilidade cutânea e facilitar a permeação de ativos dermatológicos (drug delivery), incrementando a obtenção de resultados de acordo com o objetivo do tratamento preconizado18.

Quanto às disfunções estéticas avaliadas pelos artigos que compõem esta revisão, evidenciou-se significativa melhora clínica nos casos de estrias9,14-16; fotoenvelhecimento9,11,17; acne9-10; hipercromia caracterizada como melasma2,9-10,13e cicatriz de acne9,12.Na maioria dos estudos a microdermoabrasão mostrou-se uma técnica interessante que pode ser realizada de forma isolada2,9,17-19como tratamento e/ou prevenção de determinada condição cutâneaou associada com outras tecnologias como laser de baixa fluência13-14, terapia fotodinâmica12, sonoforese15; combinada com outras técnicas como injeção intradérmica de plasma/PRP16, ou ainda associada à cosméticos como preparo da pele para potencializar seus efeitos, especialmente dos peelings de ácido salicílico 10,14, ácido retinoico11 e TCA 14,evidenciando que a associação da MDA pode influenciar o resultado produzindo maior eficácia e rapidez na consecução dos objetivos almejados nos tratamentos.

Quanto ao procedimento operacional padrão da MDA, identificou- selacuna de conhecimento, uma vez que atécnica depende de fatores como marca e modelo do equipamento de MDA disponível no mercado, disfunção estética a ser tratada eavaliação profissional do estado da pele. Esses fatorestambém definem o número de passadasda caneta de aplicação, a calibragem da pressão negativae da ejeção de cristais, no caso de MDA por ejeção/peeling de cristal, assim como escolha das lixas diamantadas de acordo com diâmetro e granulação, no caso de MDA por lixamento/ peeling diamantado, e a quantidade de ciclos e sessões de tratamento conforme reatividade, resposta cutânea do paciente e disfunção estética a ser tratada.

Neste trabalho, observou-se que a direção das passadas segue a padronização vertical, horizontal e diagonal. Quanto à quantidade, dois estudos usaram como marcador para finalização do procedimento a formação de eritema, independentemente do número de passadas14,16; dois estudos omitiram essa informação11,15; três estudos padronizaram trêspassadas10,12,18; um estudo utilizou de quatro a seis passadas, por avaliar diferentes disfunções estéticas tratadas com MDA9; os dois estudos com MDA por lixamento/peeling diamantado utilizaram duas e quatro passadas, respectivamente13,19; e outros autores definiram oito passadas apenas nas direções horizontal e vertical17. Quanto à calibragem da pressão negativa em mmHg, houve variabilidade de escolha entre 200mmHg e 450mmHg. O número de ciclos e sessões de tratamento também variou significativamente, entre uma e oito sessões, com ciclos semanais, quinzenais ou mensais.

Conclusão

Conclui-se, com base na presente revisão integrativa, ser necessário produzir melhor evidência científica para a prática da MDA em tratamentos estéticos. Foram descritos resultados estéticos positivos em termos de promoção de permeação de ativos dermatológicos e melhoria de disfunções estéticas como foto envelhecimento, envelhecimento, hipercromias/ melasma, acne, cicatrizes de acne e estrias. As lacunas de conhecimento identificadas referem-se à padronização da aplicação da técnica e podem ser explicadas pela variabilidade de marcas dos equipamentos disponíveis no mercado e por diferentes demandas de saúde na pele dos pacientes. Diante do exposto, recomenda-se o desenvolvimento de pesquisas clínicas com delineamentos que produzam evidências consistentes sobre o tema investigado, sobretudo no contexto da prática de estética e cosmética.

Referências

  1. Feitosa GPV, Oliveira EC, Higuschi CT, Gomes JPC, Barbosa ITF. Análise crítica das técnicas de microdermoabrasão por jateamento e lixamento: revisão de literatura. InterfacEHS – Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade. 2016; 11(2):2-15.
  2. Almeida CS, Ferracini GN. Eficácia damicrodermoabrasão na hipercromia facial: revisão de literatura. Rev Inspirar Mov Saúde.2012; 4(4):6-8.
  3. Hill P. Tratamentos de microdermoabrasão. In: Hill P. Milady Microdermoabrasão. 2 ed. São Paulo/SP: Cencage Learning, 2016. p.227-43.
  4. Cavalcante CBCG, Rodrigues MS, Rodicio RR, FrotaLMCP, Falcão CSV. Microdermoabrasão no tratamento de máculas em pacientes com fibromialgia. Rev Inspirar Mov Saúde. 2014; 6(4):40-4.
  5. Campos JO, Calegari A, Silva VG.Os efeitos da microdermoabrasão com peeling de diamante associado à vitamina c tópica no envelhecimento facial.Rev Inspirar Mov Saúde. 2017; 13(2):11-5.
  6. Kede MPV, Sabatovich O, Sabatovich P. Microdermoabrasão com cristais. In: Kede MPV, Sabatovich O. Dermatologia Estética. 2 ed. São Paulo: EditoraAtheneu, 2010. p. 621-24.
  7. Andrews SN, Zarnitsyn V, Brian B, Prausnitz MR. Optimization of Microdermabrasion for Controlled Removal of Stratum Corneum. Int J Pharm. 2011; 407(1-2): 95–104.
  8. Ursi ES; Galvão CM. Prevenções de lesão de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Rev Latino-am Enfermagem. 2006;14(1):124-31.
  9. El‐Domyati M, Hosam W, Abdel‐Azim E., Abdel‐Wahab H, MohamedE.Microdermabrasion:aclinical,histometric,andhistopathologic study. Journal of cosmetic dermatology. 2016; 15(4): 503-513.
  10. Abdel-Motaleb AA, Abu-Dief EE, Hussein MRA. Dermal morphological Changes following salicylic acid peeling and microdermabrasion. J CosmetDermatol. 2017; 16(4):9-16.
  11. Faghihi G, Fatemi-Tabaei S, Abtahi-Naeini B, Siadat AH, Sadeghian G, Ali Nilforoushzadeh M, Mohamadian-Shoeili H. The effectiveness of a 5% retinoic acid peel combined with microdermabrasion for facial photoaging: A randomized, double-blind, placebo-controlled clinical trial. Dermatology research and practice. 2017.
  12. Linkner RV, On SJ, Haddican M, Singer G, Shim-Chang H. Evaluating the Efficacy of Photodynamic Therapy with 20% Aminolevulinic Acid and Microdermabrasion as a Combination Treatment Regimen for Acne Scarring: A Split-face, Randomized, Double-blind Pilot Study. The Journal of Clinical Aesthetic Dermatology. 2014; 7(5):32-5.
  13. Kauvar AMB. Successful Treatment of Melasma Using a Combination of Microdermabrasion and Q-Switched Nd:YAG Lasers. Lasers in Surgery and Medicine. 2012; 44:117–24.
  14. Karia UK, Padhiar BB, Shah BJ. Evaluation of Various Therapeutic Measures in Striae Rubra. Journal Of Cutaneous And Aesthetic Surgery. 2016; 9(2):101–05.
  15. Nassar A, Ghomey S, El Gohary Y, El-Desoky F. Treatment of striae distensae with needling therapy versus microdermabrasion with sonophoresis. Journal of Cosmetic and Laser Therapy. 2016; 18(6):330-34.
  16. Ibrahim ZAES, El‐Tatawy RA, El‐Samongy MA, Ali DAM. Comparison between the efficacy and safety of platelet‐rich plasma vs. microdermabrasion in the treatment of striae distensae: clinical and histopathological study. Journal of cosmetic dermatology. 2015; 14(4): 336-46.
  17. Fernandes M, Pinheiro NM, Crema VO, Mendonça AC. Effects of microdermabrasion on skin rejuvenation. Journal of Cosmetic and Laser Therapy. 2014; 16(1):26-31.
  18. Fak M, Rotsztejn H, Erkiert-Polguj A. The early effect of microdermabrasion on hydration and sebum level. Skin Research And Technology: Official Journal Of International Society For Bioengineering And The Skin (ISBS) [And] International Society For Digital Imaging Of Skin (ISDIS) [And] International Society For Skin Imaging (ISSI). 2018; 24(4):650–55.
  19. Zapletalová A, Pata V, Janis R, Kejlová K, Stoklásek P. Objective measurements of skin surface roughness after microdermabrasion treatment. Skin Researchand Technology. 2017; 23(3):346-53.
  20. Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. São Paulo. 2010; 8(1):102-106.
  21. Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. Journal of Advanced Nursing. 2005; 52(5): 546-553.
  22. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4): 758-64.
  23. Galvão CM, Sawada NO, Mendes IAC. A busca das melhores evidências. Ver Esc Enferm USP 2003; 37(4):43-50.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Redação Estetika

Voltar ao topo